Élison Gomes

Élison Gomes

Sou Élison Gomes, publicitário e fotógrafo. Comecei a viajar o mundo em 2008 e desde então não criei raízes. Fotografia, cultura, povos e comunicação são meus maiores interesses atualmente. Acompanhe mais das cruzeiros e viagens em fotos e vídeos pelo Instagram e Youtube: @viagemdecarona.

DicasTrabalho em Navio

Uma vida no mar. Como é o trabalho em um navio!

thumb-trabalho-em-navio

Atualmente é comum ouvir “meu sonho é viajar pelo mundo”, mas para realizar isso existem várias maneiras. O trabalho em navio de cruzeiro é uma delas. Vamos desvendar esse mundo novo nesse artigo.

Acordar todos os dias em um lugar diferente, conhecer novas pessoas e culturas é apenas uma face do trabalho em cruzeiros (e quem já trabalhou sabe); Esse tipo de trabalho exige disciplina e comprometimento a partir do processo de recrutamento.

Navio na Grécia
Foto: @viagemdecarona

Recrutamento

Tudo começa ao se cadastrar para o trabalho no navio, seja na agência ou direto com a companhia, e se selecionado, sua entrevista tende a ser via Skype, afinal são candidatos do Brasil inteiro. Seu currículo deve estar na língua inglesa, uma vez que será a mais usada durante sua estada no Navio.

Seja paciente e persistente, a sua gestora de Rh é o meio entre você e a companhia de cruzeiros. A conversa ocorre em fusos horários diferentes, portanto podem haver atrasos, além disso há as disponibilidades das vagas nos navios que não estão sob seu controle.

Para embarcar, de fato, o tempo gira em torno de 3 meses a 1 ano, o que entende-se por contato com a agência de RH, exames, cursos, entrevistas presenciais, cursos de certificação como o STCW, familiarização com navios (ambos de acordo com a política da companhia), exames médicos e a chegada da bendita data de embarque.

Tudo isso pode fazer com que o crew (nome da classe) se sinta ansioso ou frustrado, está aí seu primeiro teste. Digo isso por que sem uma mente saudável, poucos sobrevivem a rotina de vida de um cruzeiro na qual trabalhará em média 11h /dia por 7 dias na semana durante 4 a 8 meses de contrato, de acordo com sua nacionalidade e função.

Portanto, caso você esteja empregado nesse período,  aconselho não deixar seu emprego até que a data de embarque chegue.

Algumas agências para cadastramentos

Embarcando no Navio

Na chegada ao porto, você verá sua casa de lata! A primeira vista parece enorme e realmente é, mas no primeiro mês você já terá aprendido todos os atalhos.

Quanto às passagens e uniformes, há companhias que pagam, outras reembolsam total ou parcialmente é preciso verificar com cuidado para não inviabilizar seu sonho.

Dentro do navio a atmosfera é total de trabalho, e já no primeiro dia é explicado onde fica cada sala e quais os horários de funcionamento, lembrando que a pontualidade é muito importante na vida onboard. Nas primeiras semanas, você irá fazer cursos e trabalhar, após este período a rotina se equilibra entre trabalho e lazer. 

Nessa fase recomendo que foque em completar bem os cursos e apreender o esquema de trabalho, pois disto depende a sua permanência na empresa e futuros contratos.

As vantagem do trabalho em Navio
Élison Gomes

Trabalho x diversão?

Até agora falamos só dos deveres, mas vamos aos direitos: Você tem o direito de se divertir e relaxar. Normalmente, a vida onboard é cercada de regras e horários, sendo responsável com isso será tranquila sua passagem pelo navio.

No navio você terá acesso ao bar, academia, sala de jogos, refeitório e piscina reservada aos trabalhadores, o que já alivia o stress. No Porto, o crew tem horas de folga para conhecer as cidades do País que aportou. Excelente oportunidade para expandir a mente e por os pés descalços no chão, explore o tempo que puder, mas não passe do ponto, existem regras rígidas com relação a atrasos e ao consumo de álcool, que vão de advertências a demissão. Também nesse âmbito, vale dizer que é proibido relacionamentos de profissionais com passageiros e de fato evitando isso você ficará livre de muitas dores ou corte de cabeça. Do mais, observe a leis locais e aproveite sua folga.

Pagamento e estrutura

Um dos grandes atrativos desse estilo de vida é o ganho em moeda superior ao nosso real e baixo nível de gastos durante o contrato, o que é mito e verdade ao mesmo tempo. Confuso? Vou explicar; O custo de vida do crew vai depender do estilo de cada um. O salário é pago em dólar, euro ou libra de acordo com a companhia para qual você vai trabalhar, nos meus contratos já vi pessoas gastando todo salário com roupas, bebida, jóias e etc.. Outros gastam com experiências de viagem como; passeios de helicóptero, Ferrari World entre outros, e isso não é uma crítica negativa.

O navio irá prover boa acomodação individual, dupla ou para 4 pessoas, refeições quatro vezes ao dia e um empréstimo para uso interno no seu crewcard, este cartão é sua identidade, chave da cabine e cartão de crédito, nesse caso o navio é a operadora e irá descontar seu uso ao final do mês.

Em suma, não é o quanto se ganha que vai definir se terá algum dinheiro ou não ao fim de seu contrato, mas as decisões de como gastá-lo! Busque por experiências enriquecedoras ou objetos que realmente agregam valor ao seu estilo de vida, pois talvez possa ser a única chance obtê-los.

O tempo

A percepção de tempo quando onboard é completamente diferente de estar em terra, os ciclos são contados em cruzeiros, dias e semanas não são tão importantes e as vivências serão muito intensas. Após alguns meses a bordo, o primeiro cruzeiro vai parecer que aconteceu há um ano. O aprendizado também irá seguir essa velocidade para seu melhor desempenho, o que vai te trazer mais conforto e confiança para integrar sua equipe. Portanto, pense rápido e agirá igual. Desafiante, não?

Equipe de trabalho no Navio

Uma parte encantadora desse estilo de vida é a chance de trabalhar com pessoas de várias nacionalidades, entender seus hábitos e costumes, também desenvolver esse respeito por suas culturas que te enriquecerá sem igual, mais uma vez o por que a língua Inglesa é super útil. Essa multinacionalidade traz pessoas de vários backgrounds, pessoas que já trabalharam nas mais variadas funções (em terra ou mar), com números maiores de contratos ou “new hires” ampliando o seu aprendizado. É muito comum, ao final dos contratos ter amigos e ao início de outro encontrá-los no mesmo navio.

Equipe de trabalhadores no navio em época de Natal.
Equipe no navio

Preciso falar inglês para trabalhar em Navio?

Não é de hoje que se houve falar em mundo globalizado e a importância de ser compreendido, por isso a resposta para pergunta é simples e direta: SIM!

O Inglês é a língua oficial do turismo e com certeza quanto mais clara sua comunicação, melhor será sua vida no navio; desde o primeiro dia será bombardeado com informações, cursos e bate-papos na língua Inglesa. A fluência será exigida de acordo com as sua função e grau de contato com o cliente, por exemplo, para trabalhar na recepção é preciso inglês fluente e o básico de outra complementar, por outro lado, para lavador de pratos o Inglês básico será o suficiente.

Escravidão: Mito ou verdade

Está aí uma grande discussão no mundo do trabalho em cruzeiros, muitos trabalhadores acostumados com o nosso CLT, buscam fazer a migração para esse estilo de vida, porém, essa mudança não pode ser uma fuga, mas sim um descobrimento. É fato que o trabalho por longas horas, estando de pé, carregando algum peso e com a percepção de tempo comentada acima, faz parecer penoso, porém essas condições são mencionadas na descrição da função que você irá trabalhar e mesmo assim o crew assina o contrato por espontânea vontade. Por isso eu acho um mito, mesmo considerando o fato de não conhecer o ambiente de trabalho, mas observando os fatos acima. 

O fator liberdade aparece quando o indivíduo busca mudar, entende o jogo, se adapta e toma uma decisão. Se desafiar e terminar o contrato ou simplesmente compreender que o trabalho não lhe cabe e seguir em frente e confiante assim como quando começou, não será uma fraqueza, mas fortalecerá conhecer a si e seus limites.

Quarto de trabalhadores no navio
Quarto no navio

Devo embarcar?

Antes de iniciar todo processo, busque entender o por que quer fazer um contrato, tenha em mente um objetivo claro;

  • Se for financeiro:  o que farei com esse valor acumulado em X tempo?
  • Caso seja experiência: o que eu quero aprender? Que competências eu vou desenvolver com esse tipo de trabalho ou função?

Além desses pontos, devo lembrar que existe a distância e fusos horários que dificultam o acesso a família e amigos, essa condição mental tem grande impacto se somado a pressão do trabalho no cruzeiro.

O que torna essa vida maravilhosa é a possibilidade de conhecer a si mesmo através das viagens, pessoas que conviverá e experiências que nenhum trabalho em terra traria a você. Em linhas gerais, sugiro treinar esse desapego e busca de si para encarar essa grande viagem.

Minha intenção com esse artigo foi trazer uma visão geral sobre o trabalho em navios de cruzeiros, baseado em vivências e observações sobre pessoas de várias nacionalidades. Espero não ter assustado ninguém, e nos vemos nos portos da vida.

Bom embarque!